Você, realmente, sabe como a internet funciona?

Quase todo mundo já andou de carro, certo? Muita gente, inclusive, dirige com frequência e, para essas pessoas, usar um carro faz parte do dia a dia. Da mesma forma, também faz parte do dia a dia de muita gente usar a internet. Mas por que essa comparação?

Bom, por enquanto, pare para pensar: o quanto você, realmente, sabe sobre a “internet”?

Quase todo mundo entende que existe um programa chamado navegador (o Google Chrome, Safari, Mozilla…) que permite usar a web para navegar por diferentes sites, acessar seu email e utilizar as mais diversas aplicações, de conversas em vídeo a jogos online. Mas como tudo isso acontece?

Voltamos à comparação com o carro: quem o utiliza, além de saber dirigir, precisa ter um mínimo de compreensão sobre como ele funciona. Saber essas informações básicas permite utilizar o veículo da melhor maneira.

Assim como isso é útil para o motorista, também pode ser útil para você, usuário da internet, entender um pouco mais sobre como ela funciona. E é exatamente isso que vamos fazer nesse post: te ensinar o básico que você precisa saber para navegar da melhor maneira!

Entender um pouco mais sobre as tecnologias que utilizamos é fundamental para aproveitarmos seus potenciais!

Aqui na Fluke, acreditamos que com informação clara e de qualidade, você estará mais preparado para tomar a melhor decisão sobre o tipo de serviço que quer contratar, seja para a conexão do seu celular e a sua operadora móvel, até mesmo para a sua casa e o seu provedor de internet.

Nós viemos para o mercado com o compromisso da transparência e do diálogo aberto com nossos usuários, e nunca vamos abrir mão disso. Por isso mesmo, publicamos aqui no blog diversos textos informativos para abrir a caixa preta da telefonia móvel no Brasil e explicar aos nossos usuários como esse mercado funciona - aproveite para conhecer mais sobre a gente em flu.ke!

O que você precisa saber sobre a internet

Vamos começar do início: para ter acesso à internet, você contrata o serviço de um provedor. Esse provedor, então, vai te dar acesso ao sinal de internet - na maioria das vezes, por meio de um cabo que chega até sua casa ou pelo sinal que chega no seu chip de telefonia móvel.

A verdade é que a internet faz uso basicamente da mesma infraestrutura de telecomunicações usada pelos serviços tradicionais de telefonia, por isso muitas vezes é a mesma empresa que oferece o serviço de conexão e de telefonia.

Aproveite e conheça um pouco mais sobre a internet na telefonia móvel no nosso artigo "Do 1G ao 4G: a Evolução da Conexão nos Celulares".

A internet, porém, usa essa infraestrutura de forma muito mais inteligente que o telefone comum. Por quê? Vamos explicar!

A parte técnica:

Para isso, você precisa entender uma das engrenagens mais importantes do funcionamento da internet: o Protocolo IP.

Esse protocolo nada mais é que um conjunto de regras para organizar como computadores e outros dispositivos conversam entre si. Essas regras seguem dois princípios: primeiro, cada dispositivo que faz parte da rede deve ter um número identificador único (IP), uma espécie de CPF do mundo virtual; segundo, toda informação enviada deve ser quebrada em pequenos pacotes - todos com endereço de origem e destino - para que ela possa ser enviada de um lado para outro.

Apesar de não ser um recurso novo, o IP vem ganhando cada vez mais espaço. Há pouco tempo, nós só conectávamos laptops ou desktops às nossas redes. Atualmente, conectamos também smartphones, assistentes virtuais, tablets, consoles de videogame e por aí vai. A tendência é de que, nos próximos anos, quase todos os dispositivos do lar estejam conectados: cafeteira, luminárias e assim por diante.

Uma das grandes sacadas da internet é exatamente essa: assim como nós fazemos quando queremos explicar algo complicado para alguém, a internet também quebra uma informação complexa em pequenas partes para facilitar sua transmissão.

Essa estratégia é muito mais disruptiva do que parece. Na telefonia convencional, por exemplo, quando estamos falando com alguém as companhias telefônicas reservam o caminho de ponta a ponta para essa conversa - ou seja, todos os recursos tecnológicos necessários para essa comunicação ficam exclusivamente destinados a quem está conversando. É esse modelo, chamado comutação de circuitos, que torna esse serviço tão caro.

Na internet, o modelo utilizado é o de comutação de pacotes. Nele, as informações são divididas em pequenos pacotes e cada um deles é enviado da origem para o destino de forma independente. Por conta disso, não há necessidade de reservar recursos, eles podem ser compartilhados de acordo com a necessidade. Por isso mesmo há menos desperdício e o custo é menor.

É como comparar andar de carro e andar de ônibus. O carro é um recurso exclusivo e que utiliza a malha viária de forma pouco eficiente. Nos ônibus, muita gente compartilha mesmo veículo, ou seja, muito mais gente pode ser transportada simultaneamente.

Se há algum problema em um desses caminhos a informação apenas continua seguindo para os demais. Isso significa que a rede como um todo é muito mais eficiente e resistente a falhas.

Conclusão

Agora sabemos um pouco mais sobre a internet e como ela funciona! A partir disso podemos explorar sobre essa tecnologia que está tão presente em nossas rotinas. De fato ainda existe inúmeros outros assuntos, sobre a internet, que devemos ficar antenados para conseguirmos aproveitar o melhor dela!


Nós somos a Fluke, uma nova operadora de telefonia. Acreditamos que você não precisa ficar preso à burocracia das operadoras tradicionais e que aproveite toda facilidade das operadoras digitais. Nosso blog existe para que você entenda melhor os seus direitos no mundo da telefonia, compartilharmos dicas sobre consumo consciente e os valores e ideias da Fluke.

Quer fazer parte dos nossos primeiros usuários e ter seu chip Fluke? Se inscreva em flu.ke e conecte-se com liberdade :)